Bebida alcoólica sem glúten faz mal para celíaco? veja o porque!! NCG.org

A pergunta : bebida alcoólica contém glúten? É muito comum, porque logo que recebemos o diploma (diagnóstico) de celíaco, além do mais óbvio que é pão, macarrão, biscoito, pizza, logo vem a cabeça que a cerveja contém glúten. Rapidamente já lembramos de whisky, conhaque, vinho, rum, etc… Então uma das principais questões é qual bebida alcoólica celíacos podem consumir.

Antes de responder essa pergunta, gostaria de alertar sobre o quão delicado é consumir bebida alcoólica com o intestino lesionado, lembre-se que quanto maior é o grau na escala de Marsh, maior o grau da lesão.

Imagine que você tem uma ferida grande na sua perna, jogar álcool é a última coisa que você quer fazer não é? E o que você faria? Protegeria, não deixaria molhar, desinfetaria, colocaria remédio, até que por fim cicatrizaria e então poderia cair álcool e desde que não ficasse o tempo todo em contato com sua pele, seria ok o contato. Com o nosso intestino, devemos ter o mesmo cuidado, porém como não é uma lesão que podemos olhar a qualquer momento e também não sentimos dor o tempo todo ( somente em casos muito graves ), acabamos achando que ingerir tudo menos glúten já é uma medida de grande sucesso. Infelizmente, a longo prazo o intestino manda a conta, e é uma conta bem difícil de pagar! Para ficar mais fácil de entender, o melhor a se fazer quando se descobre a doença celíaca é “se cuidar como se você fosse um bebê que começou a comer comida sólida”! Evite ( para não dizer: não consuma ) tempero industrializado, glutamato monossódico, açúcar, cafeína, alimentos (incluindo frutas ) muito ácidos, picantes, frituras, sucos em pó e de caixinha e refrigerantes, bebidas alcoólicas,laticínios, embutidos e alimentos industrializados. Prefira comer legumes, verduras, frutas frescas (pode ser cozida para ajudar a digestão), carnes frescas e temperos naturais, além de se hidratar de forma correta e suplementar  sob supervisão de um nutricionista que entenda de doença celíaca e nutrição funcional. Fazendo essa analogia da ferida na perna, fica muito mais fácil visualizar qual a condição do seu intestino, não é mesmo? E sabe porque eu fiquei com muita vontade de escrever esse post? Porque eu li um estudo recente sobre a Doença Hepática Alcoólica ou AALD como agora é chamada e, lá no meio do artigo eles citavam os efeitos do álcool no intestino e demais orgãos.

No intestino, o álcool induz a inflamação e diminui a função de barreira, permitindo a translocação microbiana para a circulação.

O álcool também tem efeitos inflamatórios e outros sobre o sistema imunológico, pâncreas, coração e tecido muscular. “

Bebida alcoólica sem glúten faz mal para celíaco?
Bebida alcoólica sem glúten faz mal para celíaco?

Imagine você o que é isso em um intestino já com alterações na barreira e com alteração no equilíbrio da microbiota intestinal (também conhecido como disbiose), é um tiro de canhão no seu intestino. Portanto, fica aqui o alerta para celíacos não exagerarem na ingestão de bebida alcoólica ( ainda que seja sem glúten ) e que esperem o intestino se recuperar antes de ingerir alimentos e bebidas que agridam ainda mais ” a ferida ” do intestino. Lembre-se também que doença celíaca é autoimune, e consumir bebidas que podem ter efeitos inflamatórios sobre o sistema imunológico definitivamente não é uma boa escolha.

portanto, a pergunta “Bebida alcoólica sem glúten faz mal para celíaco? ” Sim, pode danificar a seu intestino!!

Vou deixar abaixo o post completo sobre os estudos hepáticos e o link original em inglês para conferência.

Quanto à pergunta inicial, há uma grande controvérsia a respeito de cervejas sem glúten, porque a maior parte delas contém uma pequena fração de glúten e alguns celíacos reagem muito quando ingerem, mas isso seria assunto para um outro post. Nos rótulos de bebidas alcoólicas vem indicando se contém glúten ou não, a regra de ligar para o SAC do fabricante quando se está na dúvida ainda é a melhor alternativa.

Então, #ficadica recupere seu intestino primeiro e depois beba com moderação!

A doença hepática alcoólica está recebendo um novo nome, doença hepática associada ao álcool ou AALD. A doença também está recebendo novas abordagens de tratamento e nova atenção de pesquisadores, médicos e indústria.

“O uso de álcool tem sido uma preocupação desde que conhecemos álcool”, disse Gyongyi Szabo, MD, PhD, FAASLD, presidente da Fundação Worcester para Pesquisa Biomédica e professor de medicina na Faculdade de Medicina da Universidade de Massachusetts e diretor médico da Universidade de Massachusetts. Centro de Hepatologia do Centro Médico Memorial UMass, Worcester. “Atenção renovada ao álcool e seus efeitos sobre o fígado e outros órgãos nos deram um novo nome para a doença, bem como novos conhecimentos e novas abordagens para o tratamento.”

Dr. Szabo fornecer uma atualização sobre AALD durante a AASLD State-of-the-Art Palestra Alcoólica Doença Hepática: Novos Paradigmas e Tratamentos na terça-feira, 5 de junho, no DDW® em Washington, D.C.

Cerca de 35 por cento dos americanos não bebem e outros 37 por cento bebem, mas estão em baixo risco para AALD, disse o Dr. Szabo. Os outros 28% são bebedores pesados ​​ou de alto risco para a AALD por outras razões. A ingestão diária de álcool de 60 gramas – um pouco mais do que quatro bebidas médias nos EUA – parece ser o ponto de inflexão para o desenvolvimento de AALD, disse o Dr. Szabo.

AALD afeta vários órgãos. No cérebro, pode levar a inflamação, comprometimento cognitivo e dependência.
No fígado, o excesso de álcool leva a esteatose, inflamação e dano celular.

No intestino, o álcool induz a inflamação e diminui a função de barreira, permitindo a translocação microbiana para a circulação.

O álcool também tem efeitos inflamatórios e outros sobre o sistema imunológico, pâncreas, coração e tecido muscular.

Bebida alcoólica sem glúten faz mal para celíaco?
Bebida alcoólica sem glúten faz mal para celíaco?

Em 2017, a AASLD e a Associação Europeia para o Estudo do Fígado facilitaram uma reunião de especialistas internacionais para explorar doenças hepáticas associadas ao álcool. E no início deste ano, a Food and Drug Administration e o Instituto Nacional sobre Abuso de Álcool e Alcoolismo realizaram uma conferência de consenso para definir melhor os desfechos AALD e clínicos. O resultado foi a transição da doença hepática alcoólica para AALD e uma nova compreensão de ensaios clínicos ótimos.

“Agora temos um roteiro para futuros estudos”, disse o Dr. Szabo. “E temos novos paradigmas para o espectro da doença, melhores definições clínicas, biomarcadores emergentes, melhor gerenciamento, novos desenhos de estudos clínicos, novos alvos terapêuticos e candidatos a medicamentos, e crescente interesse na AALD pela indústria farmacêutica”.

Uma das barreiras mais importantes para o estudo e tratamento de doenças relacionadas ao álcool é o estigma da sociedade em torno do alcoolismo. Ainda é amplamente visto como uma falha pessoal, disse o Dr. Szabo. O novo nome, AALD, destina-se a minimizar esse estigma e mudar percepções.

“AALD ou hepatite alcoólica não é uma escolha pessoal”, enfatizou o Dr. Szabo. “Esses pacientes têm uma doença que os leva ao uso de álcool.”

Vários genes emergiram como fatores de risco para AALD, incluindo PNPLA3, o “gene da esteatose” e dois “genes da fibrose”, TM6SF2 e MBOAT7.
As mulheres estão em risco aumentado de doenças relacionadas ao álcool. Hepatite alcoólica se desenvolve com menor ingestão diária ou cumulativa de álcool em comparação aos homens. As mulheres também têm um risco aumentado e uma progressão mais rápida para a cirrose do fígado do que os homens.

A obesidade também desempenha um papel. Um índice de massa corporal maior que 25 em mulheres e 27 em homens carrega um risco de 2,5 vezes para o desenvolvimento de cirrose. A obesidade também é um fator de risco para esteatose e hepatite alcoólica.

A gravidade da hepatite alcoólica (HA) também tem uma nova definição clínica, disse o Dr. Szabo. AH moderada é definida como bilirrubina maior que 3 mg / dL e mDF menor que 32, ou um escore MELD de 11 a 20. AH grave é bilirrubina maior que 5 mg / dL e mDF de 32 ou maior, ou MELD maior que 20. Os dados mais recentes mostram que o escore MELD é um indicador melhor do que o mDF, observou o Dr. Szabo.

Biomarcadores atuais, incluindo AST, relação AST / ALT, DF e outros, são imprecisos na melhor das hipóteses. Dr. Szabo disse que há uma busca ativa por biomarcadores mais precisos no sangue, soro, plasma, proteínas, microRNAs, vesículas extracelulares, urina, respiração, saliva, fezes e outras fontes.

“Fique ligado”, aconselhou o Dr. Szabo. “Deverá haver novos biomarcadores disponíveis em alguns anos.”

A mudança de gestão mais importante é abordar a AALD como um comportamento aditivo que se beneficia de uma combinação de tratamento médico, apoio psicossocial e encaminhamento psiquiátrico. Uma abordagem de equipe com um especialista em dependência, nutricionista e assistente social pode melhorar os resultados para AALD.

O tratamento médico para dependência pode ser problemático na AALD, alertou o Dr. Szabo. Existem quatro medicamentos aprovados pelo FDA para a dependência do álcool: disulfiram, naltrexona, naltrexona de liberação prolongada e acamprosato. O dissulfiram causa toxicidade hepática e a naltrexona é tóxica na obesidade e tem uso limitado na doença hepática avançada. O Acamprosate é atualmente o agente mais útil, mas outros candidatos estão em desenvolvimento.

Dr. Szabo sugeriu usar dois locais de tratamento de álcool. O NIAAA Alcohol Treatment Navigator foi desenvolvido para famílias e pacientes que procuram opções de tratamento. A Administração de Serviços de Saúde Mental e Abuso de Substâncias tem uma linha de ajuda nacional que oferece encaminhamento e informações confidenciais gratuitas de tratamento 24 horas por dia.

Os resultados clínicos na hepatite alcoólica não melhoraram em 50 anos, observou o Dr. Szabo. A terapia com corticosteróides pode melhorar a sobrevida, mas a adição de pentoxifilina não melhora os resultados. O transplante hepático continua sendo o melhor tratamento disponível.

Mas isso pode mudar. O cérebro é o alvo mais recente para tratar o vício em álcool. Hepatócitos, inflamação, células estreladas, barreira mucosa intestinal, macrófagos ativados e o microbioma estão surgindo como novos alvos.
Vários ensaios clínicos utilizando vários agentes – antagonistas do receptor da IL-1, probióticos, colostro bovino, IL-22, ácido obeticólico e fator estimulante de colônias de granulócitos, entre outros – estão em andamento. Os primeiros dados podem ser informados ainda este ano, disse o Dr. Szabo.

Link da fonte:

Notaram que este post está diferente ao comparar com os outros? Espero que fique melhor para enxergar as informações! Qualquer dúvida comenta aqui em baixo, manda um Gmail ou um sinal para tirarmos a sua dúvida!

Deixa sugestão de posts que você gostaria de olhar também!!

Para nos seguir no Instagram: NCG.org
Não esqueça de curtir esse post que eu fico muito feliz hahaha

Doença Celíaca e Alergia Alimentar não é frescura! Compartilhe esse conteúdo com seus amigos e familiares, marque aquele amigo (a) que é celíaco ou alérgico, para que todos possam compreender melhor o nosso universo! Educação celíaca sempre, juntos somos mais fortes!

Curte a nossa página do face aqui embaixo para nos acompanhar melhor👀

By Silvia Kawaguti

👇🏼👇🏼👇🏼👇🏼👇🏼👇🏼👇🏼

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *